quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Restaurantes e bares agora dão 'mimos' a ciclistas

Karen e Renata são clientes do Le Repas, que oferece salada a quem chega de bike


Muita gente pedala para perder alguma coisa - gordura, fadiga ou estresse. Mas agora os ciclistas paulistanos também começam a ganhar
quando passeiam com suas bikes. É que estabelecimentos gastronômicos da cidade passaram a oferecer brindes e descontos para quem chega sobre duas rodas. De salada a chá mate, existem opções para satisfazer a praticamente todos os gostos.
O bairro de Pinheiros, na zona oeste, concentra a maior parte dessa nova modalidade de oferta. Só no entorno da Avenida Brigadeiro Faria Lima, em ruas como Ferreira de Araújo e Padre Carvalho, há quatro locais (equipados com paraciclo) para parar a bicicleta que garantem mimos.
Nos dias mais quentes, as melhores opções por ali talvez sejam o restaurante Chácara Santa Cecília e a doceria Bolo à Toa. Os ciclistas que os escolherem ganham, de graça, um suco natural e uma garrafinha de água gelada, respectivamente. E, se a ideia é dar um toque litorâneo, a partir de amanhã o bar Pirajá recepcionará os pedaleiros com um copo de mate - que promete ser parecido ao das praias cariocas.
Para chamar ainda mais a atenção para seu "estacionamento" gratuito de bicicletas, o bar convidou o artista Ygor Marotta, que faz, às 14h de hoje, uma intervenção no muro atrás dos paraciclos. "A intenção é atrair quem está pedalando na ciclovia da Faria Lima", afirma Natanael Paes, de 31 anos, responsável pelo marketing do Pirajá.
Negócio. Os paraciclos desses estabelecimentos têm algo em comum. Foram instalados por uma empresa especializada em fomentar serviços para ciclistas, a Ciclomídia. Cada uma das estruturas de metal destinadas às magrelas e instaladas na faixa de serviço da calçada - a mesma onde há orelhões e postes - custa R$ 350, pagos pelos donos dos bares e restaurantes.
"Muito comerciante não percebeu que os ciclistas são bons consumidores. Fazer essas promoções, além de oferecer um lugar para deixar a bicicleta, ajuda a cativá-los", explica o empresário Eduardo Grigoletto, de 40 anos, dono da marca. Ele garante que os paraciclos no passeio público são permitidos, já que integram o mobiliário urbano. Os participantes recebem uma placa de "bike point", ou seja, amigável para quem anda de bicicleta.
O bistrô Le Repas, em Pinheiros, montou um paraciclo em novembro. Cliente do local, a sommelier Karen Ferrari, de 34 anos, ganha uma salada de folhas frescas toda vez em que chega lá de bike. "Já tinha visto isso em Paris e Amsterdã." A psicóloga Renata Barros, de 34, também aderiu à ideia. "Só à noite venho de carro, porque é mais seguro."
A poucas quadras dali, a Chácara Santa Cecília dá um suco de 330 ml para quem aparece de bicicleta. O dono, Gustavo Badue, de 45 anos, espera que o movimento nos dois paraciclos do restaurante, colocados em janeiro, cresça após o fim da obra no Largo da Batata. "Hoje o trajeto ainda está um pouco difícil."
O músico Amoy Ribas, de 32 anos, costuma ir à creperia Central das Artes, em Perdizes, na zona oeste, que dá 10% de desconto para ciclistas. "Óbvio que a melhor coisa para quem anda de bike é uma cidade com vias adequadas, mas creio que iniciativas assim ajudam a incentivar o uso e o respeito pela bicicleta."

ONDE TEM BRINDES E DESCONTOS PARA CICLISTAS:

- Doceria Bolo à Toa: Ria Padre Carvalho, 103, Pinheiros. Tel. (11) 2857-4857
- Creperia Central das Artes: Rua Apinajés, 1.081, Perdizes. Tel. (11) 3865-4165
- Bistrô Le Repas: Rua Ferreira de Araújo, 450, Pinheiros. Tel. (11) 2366-9882
- Bar Pirajá: Avenida Brig. Faria Lima, 64, Pinheiros. Tel. (11) 3815-6881
- Restaurante Chácara Santa Cecília: Rua Ferreira de Araújo, 601, Pinheiros. Tel. (11) 3034-6251

Via - Estadão

Nenhum comentário:

Postar um comentário